.

.
.

sábado, 4 de outubro de 2008

DESABAFO


... as vezes acho que não entendes o que falo...
O que escrevo...
O que sinto...
Nosso convívio se torna tão pesado
porque não entendes o dom que tenho
E que dele não abro mão...
Se um dia deixar de escrever a vida não terá grande sentido...
Passei minha vida vivendo a vida de outras vidas
E agora que criei meus filhos
Por favor não me policie
Deixe eu viver a minha...
Se escrevo é porque amo escrever
E me realizo...
Se alguém lê e gosta
Meu mundo se renova e me sinto viva!
Quem me dera colocar pra fora toda essa dor que me faz sofrer...
Não és culpado por eu ser assim
Sou assim!
Porque a vida me fez assim!
Minhas angustias transformo em alegrias
Porque para o ódio não tem espaço dentro de mim...
Bem tu sabes
Quanto que já me feriram
Me magoaram
Me rotularam
E mesmo assim sobrevivi!
Sempre tive garra e força para vencer...
Olho para trás e nada me faz fraquejar...
Sei da luz que brilha dentro de mim
E sei o quanto minha vida é presenteada
Com alegrias e esperanças...
Entendas que a Poesia faz parte de mim
E sem ela não sei viver...

2 comentários:

Julia disse...

La poesía muchas veces es el diario íntimo de una mujer sensible e incomprendida.

Te leo siempre aunque no comente, porque todo lo que escribes es luz para los sentidos.

Besos

João Videira Santos disse...

Escrevendo e rasgando desabafos na certeza e na determinação do ser...é sempre assim quando nos libertamos do jugo da hipocrisia. Gostei.

POSTAGENS ANTIGAS

Minha Mãe: MARIA BIESEK MILCHAREK

Minha Mãe: MARIA BIESEK MILCHAREK
Amor para toda vida!!!

Avô materno: JACOB BIESEK

Avô materno: JACOB BIESEK

Avô Paterno: JACÓ MILCZAREK

Avô Paterno: JACÓ MILCZAREK

Avó paterna: FELÍCIA MILCZAREK

Avó paterna: FELÍCIA MILCZAREK